segunda-feira, 15 de junho de 2009

Fórum “Atendimento e Planejamento: diga-me com quem andas, e eu te direi quem és”

Vem aí o fórum do GAP (Grupo de Atendimento e de Planejamento), nos dias 29 e 30/6, no Rio de Janeiro. O objetivo é discutir os papéis do Planejador e do Atendimento Publicitário, suas diferenças, seus pontos de contato. E tudo isso abordado tanto do ponto de vista desses profissionais como dos demais departamentos da agência.

O Fórum terá como facilitadores Julieta Monteiro, Diretora de Atendimento da F/Nazca e Gustavo Otto, Diretor de Planejamento da McCann-Erickson, além de convidados das áreas de mídia e criação e gestores de agência.

Para saber mais e fazer sua inscrição, clique AQUI.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Elias Carmo, em criação para as Lojas Centauro

Para quem não sabe, o Elias é diretor de arte na Salles Chemestri e começou a sua carreira em Goiânia.

Leia a notícia aqui.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Evento da Apple nesta segunda cria expectativas sobre novo iPhone

Um evento realizado pela Apple nesta segunda-feira (8), em San Francisco (Califórnia, EUA), gera expectativas sobre o lançamento de uma nova geração do telefone multimídia iPhone. Também há especulações sobre o possível aparecimento na Apple Worldwide Developers Conference (WWDC) do diretor-executivo Steve Jobs, afastado do dia-a-dia da empresa por motivos de saúde.

Entre as novidades aguardadas para a terceira geração do iPhone estão melhores capacidades de câmera digital e de vídeo, além da possibilidade de usar diversos aplicativos simultaneamente. Há ainda a expectativa de a novidade apresentar preço mais baixo que seu antecessor. A Apple não confirma essas informações.

“Me disseram que a nova geração do iPhone e do [sistema operacional] Snow Leopard serão as grandes estrelas”, afirmou o analista Van Baker, da consultoria Gartner. “Steve também pode aparecer, talvez, porque há fortes evidências de diferentes fontes de que eles está recuperando a saúde”, continuou.

Baker afirma, no entanto, que não ficaria surpreso se Jobs não aparecesse. Isso porque o líder da Apple não teria a intenção de ofuscar Phil Schiller, o vice-presidente de marketing de produtos, que substituiu o diretor-executivo na Macworld, em janeiro.

O evento de segunda-feira é voltado para desenvolvedores de software interessados em programas compatíveis com o sistema operacional do iPhone e do Macintosh.

Vamos Dominar o Mundo - Pão de Açúcar é o novo dono do Ponto Frio

O Grupo Pão de Açúcar é o novo dono da rede varejista Ponto Frio. A corporação de Abílio Diniz anunciou na manhã desta segunda-feira, 8 de junho, a aquisição da rede Globex Utilidades S/A e suas controladas (detentora do Ponto Frio).

O contrato foi fechado nesse último domingo, 7, pela quantia de R$ 824,5 milhões, o correspondente a 70,24% do capital da controladora do Ponto Frio. O negócio faz com que Grupo Pão de Açúcar retome sua força no segmento de eletroeletrônicos e alcance a liderança do varejo brasileiro. Levando em consideração as operações do Ponto Frio, o Grupo passa a contar com um faturamento anual de cerca de R$ 26 bilhões, com mais de mil lojas espalhadas por 18 Estados e pelo Distrito Federal, das quais fazem parte um conjunto de 79 mil funcionários.

Em comunicado divulgado a imprensa, o presidente do Grupo Pão de Açúcar, Abílio Diniz, declara que a aquisição da rede de varejo trará sinergias e ganhos de escala que beneficiarão os clientes das duas redes. "Com essa aquisição reiteramos nossa confiança no País. Estamos muito felizes e convictos que essa aquisição permitirá ao Grupo operar de maneira mais competitiva gerando benefícios relevantes para o negócio e, consequentemente, para os nossos clientes e acionistas", declarou Diniz.

A rede Ponto Frio foi colocada oficialmente à venda no último dia 28 de março por meio de fato relevante enviado pela Globex Utilidades à Comissão dos Valores Mobiliários (CVM). Desde então, surgiram no mercado rumores de que diversas redes estariam interessadas na compra, como As Lojas Americanas e o Grupo Sílvio Santos.

Com a aquisição do Ponto Frio, o Pão de Açúcar passa a atuar em regiões brasileiras onde até então não estava presente, como os Estados do Espírito Santo, Mato Grosso, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Ainda na manhã desta segunda-feira, 8, o Grupo Pão de Açúcar realizará uma coletiva de imprensa, em São Paulo, para fornecer mais detalhes acerca da aquisição.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Google anuncia novo e-mail

O Google trabalha em mudanças radicais para tentar mudar a maneira como falamos uns com os outros na internet. Mas não será nada fácil. O novo produto de comunicação da empresa, o Wave, anunciado nesta sexta-feira, 29, (mas que ainda não tem data de lançamento) é um e-mail com novos elementos, como instant messenger, o galerias de fotos, widgets e jogos.

O Wave aparenta ser interessante e, se for lançado, pode algum dia se tornar um grande divisor de águas e tornar-se um problema para quem vende e-mails mais tradicionais (Microsoft) ou empresas que focam em mensagens instantâneas (Facebook ou Twitter). Mas isso não será tão cedo, já que muita coisa precisará acontecer para o Wave chegar lá.

O princípio básico do produto é de ser uma plataforma open-source e gratuita do Google, que pode ser atualizada por outras empresas. A grande questão é: como o e-mail do Google está tentando substituir duas das ferramentas mais universais da internet - o e-mail e o instant messenger - ele precisará ser muito disseminado para ter efetividade.

Em outras palavras, para o Wave ser útil, todo mundo com quem você se comunica precisará ter uma conta do Google Wave que seja checada regularmente.

Outro obstáculo é a mobilidade. As fotos divulgadas do Wave parecem bonitas em nossos monitores, mas metade das nossas atividades com e-mail são via telefone. Pelo que se aparenta, o Wave não irá funcionar no iPhone, por exemplo.

No momento, o Wave é uma ideia embrionária. É uma mudança muito maior do que o Gmail, lançado em 2004. Mas segue um pouco longe de se tornar um produto disseminado que substitua e-mail, Messenger e as outras ferramentas que usamos para nos comunicar.

Dan Frommer, editor da Business Insider, para Advertising Age.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Quando eu crescer, quero trabalhar em propaganda.



Muita gente já viu o vídeo, eu sei. Mas postei mesmo assim porque ele é simplesmente a verdade. Quanto mais tempo de mercado você tiver, mais vai se identificar com ele. Incrível.

Esse filme é uma paródia do filme "When I Grow Up", campanha antiga do site de empregos Monster.com, que não evelhece. Ele foi criado pelo Meyocks Group para a abertura do ADDY Awards. O conceito da campanha é "There´s gotta be a better job out there", isto é, "Deve haver um trabalho mais legal por aí". Humor refinado e crítico, usando clichês sobre os diversos cargos exercidos pelos profissionais de agência de propaganda.

Vamos pedir aumento - Indústria da comunicação estima receita de R$ 57,4 bi

A indústria brasileria da comunicação teve receita de R$ 57,4 bilhões em 2008, segundo estimativa apresentada nesta quarta-feira, 27, durante o I ForCom - Fórum da Indústria da Comunicação, realizado no Hotel Hyatt, em São Paulo. O montante representa aproximadamente 2% do Produto Interno Bruto do país, que foi de quase R$ 2,9 trilhões no ano passado.

Para chegar a este total, foi tomado como base um amplo estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre o desempenho financeiro do mercado em 2005 a pedido da Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap). Depois de quase dois anos de análises pelos técnicos do instituto - dado o ineditismo da iniciativa - e dos estornos propostos pela entidade das agências - que retirou receitas geradas pela venda de livros e CD's, além de produtos gráficos não ligados ao mercado, como a impressão de formulários -, chegou-se, em julho do ano passado, ao montante de R$ 43 bilhões, relativos ao exercício de 2005.

Considerando este resultado e a estimativa de R$ 57,4 bilhões, relativa a 2008, é possível atribuir crescimento de cerca de 33,5% ao mercado brasileiro de comunicação nos últimos três anos.

O trabalho do IBGE relativo a 2005 levou em conta a Pesquisa Anual de Serviços, que colhe dados de todas as empresas do setor, e a Pesquisa Industrial, que ouve empresas com mais de 5 pessoas ocupadas. Para atualizar os números para o ano de 2008, a estimativa considerou dados do Projeto Inter-Meios, que calculou em R$ 29,4 bilhões a movimentação do mercado publicitário em 2008 - incluíndo o investimento em compra de mídia e em produção. Com isso, pode-se concluir que as demais disciplinas do mercado de comunicação movimentaram no ano passado R$ 28 milhões (48,8% do total).

O I ForCom reuniu cerca de 90 representantes das 33 entidades representativas de todo o mercado, que estiveram envolvidas no IV Congresso Brasileiro de Publicidade, realizado em julho de 2008. Presidido por Dalton Pastore, atual presidente do Conselho Superior da Abap, o ForCom pretende ser uma instância permanente, com pelo menos uma reunião anual, para dar prosseguimento às proposições feitas durante o evento do ano passado.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Coca-Cola tem a maior exposição em redes sociais

A Coca-Cola segue no topo do Índice de Marcas em Mídias Sociais (Imms) da agência Frog. Os resultados se referem à exposição das marcas nos principais sites de relacionamento no mês de abril. São acompanhadas 150 marcas de 18 segmentos.

As maiores variações positivas dentro do Top 10 do índice foram registradas pela Apple, que assumiu a terceira posição (era a quinta no levantamento anterior), e a Skol, que subiu do décimo para o sexto lugar.

O Imms é um indicador da densidade de referências a determinado termo dentro da blogosfera e das redes sociais Twitter, Orkut e You Tube. Focado no conteúdo e nos debates em português, o estudo tem como ponto de referência a marca Google, pois, segundo a agência Frog, é a que tende a ter a maior quantidade de citações em todas as ferramentas.

Confira as dez primeiras marcas do ranking geral e as três primeiras por segmento.

Aa dez primeiras marcas do ranking Geral:
1º- Coca-Cola
2º- iPhone
- Apple
- Sony
5º - McDonald's
6º- Skol
7º- Chevrolet
- Nokia
9º- Adidas
10º- Nike

As três primeiras por segmento:
Operadoras
Oi
Claro
Vivo

Celulares
iPhone
Nokia
Motorola

Automóveis
Chevrolet
Ford
Fiat

Cervejas
Skol
Brahma
Bohemia

Banco
Itaú
Bradesco
ABN Real

terça-feira, 26 de maio de 2009

Vaticano 2.0

O Vaticano não resistiu à tentação das redes sociais e resolveu ceder aos seus encantos: lançou oficialmente o site Pope2You. Entre as novidades do site estão os aplicativos para iPhone e Facebook, os vídeos disponíveis no canal “The Vatican” no YouTube e o Wikicath, uma espécie de Wikipédia com mensagens do Papa e seus significados.


Música - As 100 mais dos últimos 100 anos

Ontem eu conheci um site muito bacana. Não pelo design ou interatividade, mas porque ele traz uma lista dos últimos 100 anos com as 100 músicas que eram sucesso em cada um deles.
Eu descobri que em 1980, ano que nasci, o hit nº 1 no Brasil era Balancê, Gal Costa. Mas pra consolar, a segunda colocação era Another Brick in The Wall, Pink Floyd.
O site é uma verdadeira máquina do tempo. Ah, e ainda dá pra conferir o link no youtube com a música e até o seu clipe.
Para acessar o site, clique aqui.

Ouça Balancê com Roberta Sá

quarta-feira, 20 de maio de 2009

CEO do Google pede: "desliguem seus computadores"

Recomendação dada por Eric Schmidt durante cerimônia de graduação na Universidade da Pensilvânia (EUA) pretende levar jovens à descoberta de tudo que é humano e importante


terça-feira, 19 de maio de 2009

Marketing direto cresceu 12,1% em 2008

A Associação Brasileira de Marketing Direto (Abemd) lançou nesta segunda-feira, 18 , a quarta edição dos Indicadores Abemd, que apontam os investimentos em marketing direto feitos no País. Os principais resultados do levantamento apontam crescimento do mercado de 12,1%, chegando a marca de R$ 19,5 bilhões em receitas com prestação de serviços em 2008. Esse número equivale a 0,67% do PIB brasileiro.

Os indicadores registram também aumento das receitas geradas pelos segmentos de internet e e-commerce (evolução de 17,3%), agências (16,1%) e fornecedores de listas (14,3%). Esses foram os setores que mais cresceram. O segmento de call center arrebatou 23,1% das receitas investidas em marketing direto.

Para o presidente da entidade, Efraim Kapulski, o mercado de marketing direto prova estar em expansão, apesar da crise. "Os anunciantes, cada vez mais, buscam mensurar o resultado de suas ações de comunicação, ratificando a importância do estudo: medir o peso de nossa atividade na economia do Brasil", declarou em comunicado oficial.

Com esse levantamento, a Abemd pretende desenvolver uma base de dados estratégicos e atuais sobre o setor e todos os segmentos que o compõem. Além disso, quer disponibilizar informações relevantes para que as empresas possam tomar as melhores decisões no sentido de elevar o marketing direto no âmbito nacional.

Os dados das pesquisas estão disponíveis no site da associação, aqui.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Dica de Site

O site PSV (Portfólio Sem Vergonha) acaba de lançar seu briefing nº 29 com o tema Guaraná Antarctica. O site visa o desenvolvimento de portfólios de estudantes e jovens profissionais de criação. A cada 20 dias, o PSV disponibiliza um briefing e os anúncios enviados são publicados na Galeria. No final do prazo de envio de peças, um júri composto por publicitários, profissionais de marketing do anunciante e jornalistas especializados elege as melhores peças, expostas no “Tops” do PSV.Para participar os interessados devem enviar suas peças para o e-mail portfoliosemvergonha@yahoo.com.br em RGB, formato jpg, com até 200kb, no máximo. Em caso de campanha de até três peças, deve-se enviar com até 450KB no total. O concorrente também pode fazer uma defesa da peça através de um texto com até 700 caracteres, não obrigatório. O prazo para envio das peças do briefing nº 29 é até às 12h de 8 de junho de 2009.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Microsoft acha que encontrou o ponto fraco da Apple - o preço

Tudo indica que a Microsoft finalmente encontrou o calcanhar de aquiles da Apple. Depois de muito tempo nas cordas, acuada pela brilhante campanha Mac x PC, a Microsoft inspirou-se na crise econômica para contragolpear com mais eficiência sua arquirival. Na sua mais recente campanha, diversos clientes tentam comprar computadores Apple, mas esbarram no preço. Porém, acabam encontrando PCs com desempenho semelhante e preços bem mais convidativos

Animada com os resultados dessa estratégia, a Microsoft resolveu estende-la para um território mais acidentado – o dos tocadores de mp3. Um viral na web mostra Wes Moss (foto), um desses consultores financeiros pessoais que aparecem dando conselhos na TV, explicando aos consumidores que para encher um iPod de 120 gigabytes com músicas compradas a 1 dólar cada uma, eles gastariam nada menos que USD 30 mil. Em contrapartida, o Zune, da Microsoft permite que seu usuário baixe indefinidamente quantas músicas quiser por apenas USD 14,99 mensais.

Só o tempo dirá se essa abordagem pode mesmo mudar a direção dos ventos e trazer dias melhores para a empresa de Bill Gates.

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Globo credita fuga de patrocinadores à crise

Depois de Finasa, Brasil Telecom, Medley e Ulbra, a Unisul também suspendeu seu patrocínio ao voleibol profissional. A Universidade do Sul de Santa Catarina, no entanto, apontou a Rede Globo, detentora dos direitos de transmissão da Superliga de Vôlei, como um dos principais motivos da decisão.

Em comunicado oficial, a Unisul destacou que nos últimos meses, para manter uma equipe competitiva, aceitou reduzir o seu nome no uniforme dos atletas e até em placas publicitárias. Também preferiu silenciar-se diante da decisão da emissora de televisão, exclusiva na retransmissão dos jogos, de omitir o seu nome na identificação da equipe. Para a Globo, o time era chamado de Joinville, e não Tigre/Unisul/Joinville.

Também via nota oficial, a emissora responde as afirmações apontando a crise como principal fator da escassez de patrocinadores no esporte. A Globo sustenta que não cita as marcas dos patrocinadores para "ajudar o público a reconhecer a existência de fronteiras entre editorial e comercial".

Confira abaixo o comunicado da Central Globo de Comunicação:

"Os critérios que orientam as decisões das equipes de Jornalismo e de Esportes da Globo, de citar e exibir marcas, atendem a uma finalidade: ajudar o público a reconhecer a existência de fronteiras entre editorial e comercial, além, é óbvio, de resguardar, legitimamente, o modelo de viabilização da TV aberta, cujo sustento deve advir exclusivamente da comercialização dos intervalos e de outros formatos comerciais.

A Globo considera que a visibilidade natural proporcionada aos patrocinadores de equipes e eventos, em transmissões e reportagens, por si só agrega valor às marcas e gera ganhos de imagem para as empresas investidoras no esporte, dado o imenso alcance de público da televisão aberta.

É curioso que, justamente no momento em que o mundo atravessa grave crise econômica, empresas aleguem que vão encerrar projetos esportivos porque suas marcas não são citadas. Ainda que estes projetos esportivos tenham recebido durante anos - às vezes décadas - o mesmo tratamento atual, o que prova terem sido vitoriosos e assegurado retorno para os patrocinadores que a eles se associaram.

A eventual frustração de empresas patrocinadoras por não terem conseguido, na Globo, a chamada "mídia espontânea", na intensidade pretendida, reforça nossa convicção quanto ao acerto de nossas políticas."

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Whereabouts Clock

Que tal monitorar a localização física dos seus filhos, marido ou esposa, namorada ou amante (rs), através de um aparelho do tamanho de um porta retrato, que pode ficar na estante, em cima da mesa, ou em qualquer outro lugar da casa ou do escritório?

Estranho? Talvez. Mas foi isso que os cientistas da Microsoft Research, braço de pesquisa em Cambridge – UK, desenvolveram e já estão testando em algumas residências inglesas.

O Whereabouts Clock, que de relógio não tem nada, monitora a localização dos integrantes de uma família através do sinal do telefone celular de cada um, e apresenta os dados em um mapa digital. O mapa possui três categorias: “trabalho”, “escola” e “casa”. Todas as vezes que alguém estiver em um destes locais, o aparelho mostrará um ícone com a foto da pessoa na localização correspondente.

França aprova projeto que desconecta quem faz download ilegal

A Assembléia Legislativa da França aprovou nesta terça-feira (12) um projeto de lei que permite desativar as conexões de internet daqueles que forem pegos repetidamente fazendo download ilegal de filmes e música, criando o que poderá ser a primeira agência governamental para rastrear e punir piratas on-line. O Senado francês deverá aprovar a medida já nesta quarta-feira (13).

O projeto de lei foi aprovado por 296 votos a 233, mostrando a força dos aliados do presidente francês, Nicolas Sarkozy, o principal defensor da proposta antipirataria. Alguns apontam, inclusive, que a medida tenha sido incentivada pela primeira-dama francesa, a cantora e modelo Carla Bruni.

A proposta votada nesta terça desafia a medida aprovada pelo parlamento europeu na semana passada, que proíbe que os governos integrantes da União Europeia cortem a conexão de internet de cidadãos sem antes passar por um tribunal de Justiça. A medida ainda requer uma decisão final, conforme negociações com o Conselho Europeu.

Muitos alegam que a nova lei vai contra a liberdade individual, ao negar que os acusados de pirataria na internet tenham o direito de questionar as acusações feitas contra eles. Outros têm medo de que a medida possa favorecer o aumento de práticas governamentais no estilo "Big Brother", invadindo cada vez mais a privacidade dos cidadãos.

Mas as indústrias fonográfica e cinematográfica, além dos próprios artistas, acreditam que o projeto de lei é um passo decisivo no combate à pirataria on-line na França, onde as vendas de CD e DVD tiveram uma queda de 60% nos últimos seis anos.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Pecados Mortais na Gerência de Contas

por Bruce Kelley - Retirado do blog Atendimento Publicitário


Pergunta: Quais os piores erros que um Atendimento pode cometer?

Infelizmente, Gestores de Conta são constantemente avaliados da mesma forma como se avalia ginástica ou competição de mergulho. Quero dizer com isso que a sua avaliação enquanto Atendimento é muito frequentemente determinada pelos erros que você cometeu e não pelo valor de sua contribuição.

Sendo assim, num esforço para evitar os grandes erros, aqui seguem alguns dos piores para que voce nunca os cometa:

Esquecer-se de algo que você se comprometeu a entregar ao cliente
Seja não retornar os telefonemas, faltar a uma reunião ou não cumprir um prazo – tudo isso, além de falta de educação, sinaliza para o cliente que o seu negócio é menos importante para você do que outras coisas. É importante que o cliente sempre sinta que o seu negócio e o trabalho que dali deriva estão no topo de suas prioridades.

O Cliente achar que você está recomendando uma campanha para que a agência ganhe um prêmio em vez de recomendar o que é adequado ao negócio dele
Você precisa assegurar-se de que o cliente percebe que você “saca” do seu negócio e de suas necessidades. Nunca permita que ele questione as suas prioridades. Se ele o faz, você também se arrisca a ter a sua própria credibilidade questionada.

O Cliente pegar você na mentira
Não faça isso! Diga a verdade porque isso é a coisa certa a se fazer (e a mais fácil de se lembrar). Se você mente ou maquia a verdade, somente coisas ruins podem daí advir. Você vai irritar seu cliente, vai perder a credibilidade e causar uma má impressão sobre a agência.

Não passar informações ao seu chefe (a respeito das coisas boas e más)
Não é necessário que você conte tudo ao seu supervisor, mas você precisa ter noção do que ele precisa saber. Nunca deixe seu chefe naquela situação em que ele não sabe algo que deveria saber quando ele estiver na frente de um cliente. Isso ajudará seu chefe a ser adequadamente proativo.

Denegrir a agência para o cliente
Tentar obter apoio do cliente através desse tipo de expediente é uma má ideia (mesmo que o cliente concorde). Se você faz uma coisa dessas, no longo prazo é mais provável que o cliente forme uma opinião negativa sobre você e sobre a agência. Tente ser um Atendimento do tipo “copo meio cheio, não copo meio vazio”.

Prometer demais, entregar de menos
Sempre devemos estar na posição daquele que supera as expectativas do cliente. Se a gente “vende demais” e deixa que as expectativas fiquem irrealisticamente altas, vamos gerar uma imagem ruim da agência e erodir nossa credibilidade com o cliente, caso a gente não cumpra o que prometeu.

Colocar seu cliente em má situação na frente do chefe dele
Você ganha muito pouco ou nada quando coloca seu cliente em maus lençóis na frente do chefe dele. É uma boa forma de fazer com que a agência seja dispensada. Mas mesmo que isso não aconteça, o cliente jamais se esquecerá desse fato. E é provável que o chefe de seu cliente também desaprove esse comportamento. Faça um esforço na direção oposta. Faça com que seu cliente se pareça com um herói em frente de seu chefe. É como pagar dividendos de longo prazo.

Não falar claramente para a agência a respeito de como o cliente se sente
Não mascare ou suavize a respeito de como o cliente se sente para não ferir os sentimentos da agência. Primeiramente porque isso é uma perda de tempo valioso. Em segundo lugar porque daí pode resultar um trabalho feito de forma equivocada. Terceiro: você vai perder credibilidade interna, especialmente com o pessoal da criação.

Tomar o crédito para si em vez da equipe da agência
Além de errado (e egoísta), esse comportamento vai de encontro ao nosso objetivo em fazer o cliente achar que a agência é indispensável, e não uma única pessoa. Embora os clientes acabem gravitando em torno de algumas pessoas específicas que lidam com a conta, precisamos nos assegurar que eles estejam felizes com a agência como um todo, de forma a que eles nãos fiquem preocupados quando tivermos que fazer alguma troca de profissionais.

Falar mal do cliente
Independentemente do comportamento do cliente ou de suas decisões, nunca é boa idéia falar mal do cliente pelas costas dentro da agência. Um mau exemplo para quem é junior. Além de promover uma baixa moral. E, se um dia o cliente fica sabendo, pode haver repercussões desastrosas.


Há muitos anos, no meu primeiro dia de agência como Assistente de Atendimento, meu supervisor me disse que eu nunca ganharia “pontos” por fazer um bom trabalho, mas poderia perder pontos se fizesse alguma besteira. Embora isso tenha me ajudado a pensar de forma a me antecipar aos acontecimentos, eu não concordo em conclusão. A gerência de contas pode e deve agregar um real valor ao relacionamento com o cliente e à qualidade de nosso produto. Saber quais erros evitar ajuda a manter um forte e pleno relacionamento com o cliente. E que poderá durar por muito tempo.

------
(*) Bruce Kelley é vice-chairman da agência The Martin Agency. Ele foi Atendimento por muitos anos em agências badaladas como: Ogilvy & Mather, Doyle Dane Bernbach e J. W. Thompson. Kelley escreve periodicamente para o site da AEF- Advertising Educational Foundation, de onde esse artigo foi tirado.

Enox cresce apostando na força do indoor

Já é bem comum encontrar displays, adesivos e peças decorativas que trazem o logotipo de alguma marca em mesas, banheiros, paredes e outros pontos de inúmeros estabelecimentos. Diversos desses trabalhos têm a assinatura da Enox, empresa que apostou na mídia indoor e hoje conta com uma extensa fonte de canais de contato com o público.

Com cinco anos de existência, a agência tem 22 escritórios espalhados por 17 Estados do País. A Enox acredita que chegou o momento de se reapresentar ao mercado. Por conta disso a empresa transferiu a sua sede de Curitiba para São Paulo e integrou à sua comunicação o conceito "in", que faz referência ao segmento indoor, porém procura materializar o poder de alcance e diversidade dos serviços prestados aos clientes.

"Queremos transmitir a imagem de uma indústria de comunicação indoor, com trabalhos capazes de fazer as pessoas se envolverem diretamente com as marcas e de falar a linguagem do público-alvo", explica Ernesto Villela - que divide a sociedade da Enox com José Pires, Rafael Cordeiro, Patrick Parker e Gustavo Gasparin.

A história do empreendimento começou em 2004, em Curitiba. No início, a Enox fazia parcerias com bares, restaurantes e estabelecimentos locais e, posteriormente, oferecia aos anunciantes a possibilidade de expor suas marcas dentro desses lugares. Como as ações poderiam explorar qualquer espaço desses ambientes, a variedade de serviços logo começou a crescer.

Depois de ultrapassar a fronteira paranaense, a Enox começou a estabelecer contratos com anunciantes de alcance nacional. Atualmente, é detentora do espaço de 5 mil estabelecimentos em todo o Brasil. Para facilitar o direcionamento das estratégias com o público-alvo foram criados nove diferentes canais: lojas de departamentos, bares, academias, drogarias, redes de lojas de grife, restaurantes, salões de beleza, lan houses e escolas e quadras de futebol. Há ainda um canal aberto, chamado on demand, destinado a contemplar ações cujo target não esteja contemplado nas outras opções.

Durante esses cinco anos de trabalho, a Enox já acumula a realização de ações para clientes dos mais variados segmentos como Bradesco, Sony, Claro, Nissan, Coca-Cola, L'oreal, Editora Abril, Brastemp, entre outras. Com o recente lançamento do novo website - que funcionará como um canal de recepção direta dos briefings dos serviços - a expectativa é a de que essa lista cresça ainda mais.

Para 2009, a agência planeja a abertura de mais dois canais de atuação. Estuda também seu avanço para fora do Brasil. "Ainda há um espaço muito grande para ocupar", aposta Villela.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Tô velho - Avô dos minigames, portátil Game Boy comemora 20 anos de idade

Há 20 anos a japonesa Nintendo lançava o Game Boy, clássico videogame portátil que serviu de plataforma para personagens como Super Mario e Pokémon e vendeu 200 milhões de unidades do mundo todo.

Quando o portátil foi lançado, em 1989, o Japão vivia sua explosão econômica e “Like a prayer”, de Madonna, liderava as paradas musicais internacionais - os videogames haviam acabado de migrar dos fliperamas para as residências.

No Japão as crianças ocupavam suas TVs com o console Famicom, além de games portáteis mais simples, como o Game and Watch.

O Game Boy, vendido na época a 8 mil ienes (US$ 80 na conversão atualizada), era o primeiro videogame portátil com entrada para cartuchos e que prometia aguentar “35 horas de jogo com apenas quatro pilhas”.

“As crianças ficaram encantadas em poder jogar nos trens depois da escola”, relembra Hirokazu Hamamura, chefe da editora Enterbrain, especializada na indústria de games. “Se a Nintendo supera seus rivais nessa área, hoje, é porque a companhia passou décadas no universo do jogo como atividade social”, diz ele.

Das cartas para os games

Baseada em Kyoto, a Nintendo iniciou atividades em 1889 fabricando jogos de cartas e passou para o ramo dos brinquedos no início do século 20. Em 1983 lançou o Famicom, que no Ocidente ganhou o nome de Nintendo Entertainment System (NES, vulgo "Nintendinho").

“A Nintendo entendeu o público jovem, o que não era o caso de seus concorrentes, como a Sony, que buscava os adultos”, diz Hamamura. A Sony introduziu o walkman em 1979, mas só lançou seu videogame portátil, o PSP, em 2004, muitos anos depois do Game Boy.

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Um pouco de gripe

Texto de André Barreiros, redator na Matisse.

GRIPE DO CONTROLE REMOTO

Gripe do porco.
Gripe do frango.
Ebola.
AIDS.
Crise mundial financeira.

Eu invento a doença e a cura.
Concebo a calamidade pública, o estado de sítio.
Eu sou a máscara protetora.
Sou o antídoto e vou esgotar nas farmácias.
Uso a TV para contagiar. É ela quem espalha o vírus.


Charge de Paulo Zarat, redator na BorghiErh/Lowe

Problema moderno demais

Enviado por Sara Oliveira, redatora da Jordão.


Apoiado na classe C, consumo nacional deve crescer

Por mais que a crise econômica ainda seja um desafio - e um temor - para os negócios do País, o consumo dos brasileiros no ano de 2009 deverá aumentar, com grande destaque para movimentação de compras gerada pela classe C e por suas subdivisões.

A conclusão é resultado dos dados apurados pela empresa Target Marketing em relação ao IPC-Target do Brasil em Foco 2009, indicador do potencial de consumo da nação, que leva em consideração os 5.565 municípios do País.

De acordo com a pesquisa, o consumo dos brasileiros neste ano irá superar a marca de R$ 1,863 trilhão, o que aponta para um crescimento das despesas familiares superior em 1,6% à própria projeção de crescimento do Produto Interno Bruto Nacional (PIB). A expectativa de consumo é alicerçada em uma projeção de crescimento da população, que deverá alcançar o total de 191,5 milhões de habitantes até o final do ano.

A classe C deve aumentar a sua potencialidade de consumo, ampliando a sua participação no montante nacional. Mesmo dividida em subgrupos - como a classe C2 (que, em termos de renda, estaria mais próxima das classes D e E) e C1 (que se aproximaria da classe B) - a classe C, unida, deverá representar R$ 532,8 bilhões no total do consumo nacional. Considerando apenas o subgrupo de menor poder aquisitivo dessa classe, a movimentação gerada deverá ser de R$ 314,6 bilhões, o que corresponde a 17,8% do total do consumo nacional das áreas urbanas.

Por conta desse crescimento, a tradicional "classe média" deverá perder um pouco de espaço, já que passará a receber os representantes da classe C1, que passaram a deter um maior poder de consumo. Apesar disso, a força dessa fatia ainda é grande, devendo ser responsável por cerca de R$ 723,6 bilhões - o que corresponde a 41% de todo o consumo nacional.

Em termos de mobilidade social, a pesquisa aponta uma possível tendência de queda no poder de consumo das classes A2, B1 e B2, e aumento do poder das classes C1 e C2. Em relação á concentração por região, o Sudeste continua sendo a área onde mais se consome no Brasil, sendo responsável por 51,4% do total do consumo nacional. O Nordeste aparece na vice-liderança, respondendo por 18,8% do total do consumo, enquanto a Região Sul aparece em terceiro lugar, devendo gerar por 16,3% de todo o consumo do País neste ano. A região Centro-Oeste aparece em quarto lugar (7,8% de participação) e a Norte vem em quinto, com 5,7%.

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Acompanhe o Twitter de Alex Bogusky

Clique aqui para ver o perfil de Alex Bogusky no Twitter. Ele tinha cancelado o seu perfil há alguns meses, mas não resistiu ao sucesso do micriblog e voltou. PraLink quem não sabe, ele é sócio de uma das agências mais criativas do mundo. A Crispin Porter + Bogusky.

A revolta das máquinas - Robô que atacou funcionário rende multa de R$ 6,7 mil na Suécia

O funcionamento inesperado de um robô em uma fábrica de Estocolmo, na Suécia, resultou em sérios danos a um funcionário e rendeu multa de 250 mil coroas suecas (o equivalente a R$ 6,7 mil) à empresa, segundo o jornal "The Local".

O acidente aconteceu em junho de 2007, ao norte de Estocolmo. O funcionário, que fazia manutenção de equipamentos, desativou uma máquina e se aproximou dela para os procedimentos necessários. O robô, porém, passou a funcionar e "atacou" o trabalhador com os dispositivos normalmente utilizados para carregar pedras pesadas.

"Nunca vi algo assim, um robô atacar alguém" disse o procurador Leif Johansson, que aplicou multa equivalente a R$ 6,7 mil à empresa. Ele culpou a companhia por utilizar métodos de segurança inadequados, mas também responsabilizou, em parte, o funcionário atingido.

Novo disco armazena conteúdo equivalente ao de cem DVDs

A General Electric anunciou nesta semana a criação de uma tecnologia de armazenamento óptico capaz de arquivar 500 GB em um único disco -- o conteúdo equivale ao de cem DVDs tradicionais ou de 20 discos Blu-ray. Apesar do anúncio, a companhia não divulgou quando a novidade estará disponível no mercado.

O segredo da novidade está no tipo de material microholográfico utilizado pelo disco, que ainda está em fase de desenvolvimento. Segundo a empresa, a novidade poderá rodar em tocadores “muito similares ao do Blu-ray or DVD”. Enquanto essas duas alternativas guardam informação apenas na superfície do disco, a nova tecnologia utiliza todo o volume do material que compõe o disco para realizar o armazenamento.

“Hologramas, ou padrões tridimensionais que representam bits de informação, são gravados no disco e então podem ser lidos. Apesar de a tecnologia holográfica de armazenamento da GE representar um marco, o formato [de armazenamento dos dados] e hardware [para leitura do conteúdo] são tão parecidos com a atual tecnologia de armazenamento óptico que os tocadores microholográficos também poderão rodar CDs e DVDs”, afirmou a companhia, em comunicado.

Ainda de acordo com o anúncio, a GE trabalha no desenvolvimento dessa tecnologia há seis anos. Futuramente, diz a companhia, o armazenamento em um único disco poderá chegar a 1 terabyte de dados (o equivalente a dois discos de 500 GB).

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Apple bate recorde de 1 bilhão de downloads de aplicativos para iPhone

A Apple anunciou nesta sexta-feira (24) ter batido a marca de um bilhão de downloads de aplicativos para o iPhone no iTunes, sua loja on-line, nove meses após estes programas terem sido lançados.

O recorde, segundo fontes da companhia, foi alcançada na noite de quinta-feira (23), e o aplicativo baixado que bateu a marca de um bilhão foi o Bump, um programa desenvolvido pela Bump Technologies que permite tramitar a informação dos contatos.

O programa foi baixado por Connor Mulcahey, um adolescente de 13 anos de Connecticut, que receberá como prêmio US$ 10 mil para gastar no iTunes, um reprodutor iPod Touch e um computador MacBook, entre outras coisas.

Novas funções

Os aplicativos para o iPhone, a maior parte gratuita ou custando menos que US$ 3, transformaram o telefone celular em um aparelho muito parecido com um computador portátil.

Na maioria, estes programas foram criados por programadores autônomos de fora da Apple que retêm 70% do lucro obtido com as vendas.

A lista dos aplicativos pagos mais comprados tem jogos como "Crash Bandicoot nitro kart 3D", em primeiro, ou "Enigmo", em terceiro.

Entre os aplicativos mais baixados está um para usar o Facebook no iPhone, o serviço Google Earth ou um curioso programa chamado Shazam, que "escuta" pelo microfone do telefone a música que toca no ambiente e dá o nome da canção e o autor em segundos.

Atualmente, o iTunes oferece 35 mil aplicativos diferentes, em 77 países.

Multa ao Makro pode chegar aos R$ 3 milhões

Rede atacadista foi notificada pelo Procon; pena incorrerá por falha em anúncio publicado no final de semana passado

A rede atacadista Makro foi notificada pelo Procon de São Paulo por causa de um anúncio com erro divulgado pela empresa no final de semana passado. A Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor quer esclarecer os fatos ligados ao encarte de Dia das Mães - com vigência entre 21 de abril e 4 de maio e enviado pelo correio a consumidores cadastrados -, que anunciava a venda de um computador portátil por R$ 899. O problema é que, segundo a empresa, o preço real do produto era R$ 1.899 à vista e um erro gráfico teria tirado R$ 1 mil do valor da peça.

A digitação incorreta virou caso de polícia em algumas cidades. Em Ribeirão Preto, dezenas de consumidores foram à delegacia prestar queixa contra o atacadista por propaganda enganosa. Eles queriam comprar o notebook Philco com câmera, memória de 4 GB e HD de 250 GB pelo preço anunciado e não conseguiram. Protestos também foram registrados em Santo André e Bauru. Na capital paulista, 12 consumidores procuraram o Procon-SP para consultas ou reclamações sobre o caso.

Segundo os artigos 30 e 35 do Código de Defesa do Consumidor, o fornecedor é obrigado a cumprir o que é veiculado nos anúncios e, no caso de recusa, o consumidor pode exigir o cumprimento forçado do que foi ofertado. "O código trabalha com o princípio da boa-fé: prometeu, cumpriu", destaca Paulo Góes, diretor de fiscalização do Procon-SP. Para ele, o erro não era perceptível ao consumidor e criou uma expectativa legítima de compra; por isso o fornecedor deveria cumprir a oferta.

O Makro não quis dar entrevista sobre o assunto. Em nota, divulgou que a empresa "lamenta os inconvenientes causados aos seus clientes e informa que já tomou todas as medidas legais junto aos órgãos de defesa do consumidor". A empresa também diz que divulgou o valor correto do produto em alguns dos principais veículos de comunicação do País (sem mencionar quais), e que utilizou os canais internos da rede para informar o preço certo.

Para Paulo Góes, a publicação de uma errata não desobriga a rede atacadista de cumprir a oferta. O Procon-SP está apurando o caso e já solicitou que o Makro apresente o anúncio de esclarecimento, os números de estoques do produto e outras informações. Segundo Góes, se for constatado desrespeito ao consumidor, a empresa pode ser multada em até R$ 3,19 milhões. "O consumidor que se sentir lesado pode também entrar na Justiça", avisa.

Casos de erros em anúncios não são novidade. Em novembro passado, um descuido na impressão de um encarte das Casas Bahia também irritou consumidores do Rio de Janeiro. No folheto, televisores de LCD de 26 polegadas eram ofertados por apenas R$ 119, quando o preço verdadeiro era R$ 1.399. No mesmo dia, a rede colocou uma errata na fachada das lojas para informar o equívoco, além de divulgar, no dia seguinte, um anúncio de esclarecimento nos 35 veículos que receberam o encarte. Em 2008, a rede varejista fez 27 mil anúncios impressos e mais de 214 milhões de encartes.

Solução tecnológica
Para evitar a ocorrência de erros como o do folheto do Makro, empresas de produção gráfica investem em tecnologia. A Arizona, por exemplo, tem a plataforma Visto, ferramenta digital utilizada por clientes como Carrefour e Natura para facilitar a produção de encartes de ofertas e revistas de produtos. No caso da rede de hipermercados, eram feitas 800 páginas de tabloide por semana com 45 pessoas. Depois da adoção do Visto, são 1,4 mil páginas semanais com 27 pessoas.

Segundo Marcus Hadade, sócio-diretor comercial da Arizona, houve redução de 96 % nos erros nos encartes do Carrefour. Eles só não foram totalmente eliminados porque eventualmente é feita alguma digitação manual de última hora. "É o cliente quem coloca o preço no anúncio, reduzindo a possibilidade de erro e também garantindo a confidencialidade. Sem contar a possibilidade de tomar decisões de última hora, para trabalhar com a melhor oferta", detalha.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Brasil tem oito celulares para cada dez habitantes

O Brasil chegou a 153.673.139 assinantes no Serviço Móvel Pessoal (SMP), com 1.308.153 novas habilitações (crescimento de 0,86%) em março de 2009, informou a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), em comunicado. Do total de acessos do País, 81,61% são pré-pagos, e 18,39%, pós-pagos.

Em março a teledensidade - indicador utilizado para demonstrar o número de telefones em serviço em cada grupo de 100 habitantes - obteve um crescimento de ,78% em relação a fevereiro. Em comparação a março do ano passado o crescimento foi de 22,25%.

O Distrito Federal lidera em número de aparelhos em serviço, com 1,43 telefone para cada habitante. O Rio de Janeiro Rio de Janeiro é o segundo colocado no ranking e o Mato Grosso o terceiro. Os maiores crescimentos da teledensidade em março foram registrados no Maranhão, Amapá, Amazonas, Alagoas e Pará. No primeiro trimestre destacam-se Rondônia, Tocantins, Amapá, São Paulo e Amazonas.

No que se refere à participação das empresas no mercado, a Vivo lidera a lista com 29,70% , seguida por Claro (25,76%), TIM (23,50%) e Oi (16,80).

Ladeira moral

Luiz subia a ladeira como se a ladeira não existisse.
Empurrava uma carreta lotada de papelão molhado pela chuva.
Me arrependo de ter olhado-o de novo.
Com tanta coisa pra roubar, tanto ódio para nos mostrar, Luiz preferiu catar papelão, colocar na carreta e vender. Luiz não vende sua alma ao demônio por dois motivos: o primeiro motivo é piegas, o segundo é porque o Gabiru não se interessa.
Mas que diabos!, por que esse homem não vai roubar? De onde ele tira coragem para enfrentar essa chuva sarcástica? A mesma chuva que me trancaria dias em casa, lavava a alma de Luiz.
Por que olho pro pobre diabo e sinto inveja do seu caráter? Eu que me pego fazendo concessões às meias verdades em nome do ganha pão.
Por que não sacou uma arma qualquer e me ameaçou? “Leva tudo, Luiz. Leva minha fraqueza.”
Por que não me deu seu olhar pedinte, sofrido? Por que ao invés disso, pisou firme como um soldado romano, convicto do seu caminho?
Por que não me deu a chance de satisfazer meu desejo egoísta de ajudá-lo?

Luiz subia a ladeira. A ladeira não subia nele.

Minha consciência está pesada, molhada pela chuva. Luiz, me ajuda a subir essa ladeira, por Deus.


Texto de André Barreiros.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Mercado varejista cresceu sem abertura de novas filias

Esta semana foi divulgada a 38ª edição do Relatório Anual da revista Supermercado Moderno, sem grandes mudanças no topo do ranking, que continua com os gigantes Carrefour, Pão de Açúcar e Wal-Mart encabeçando esta lista. O relatório também conclui que o mercado varejista cresceu muito, mas com mesmo número de lojas, sem abertura de novas filias. Além disso, a rede Zona Sul (RJ) apareceu pela terceira vez seguida como a empresa brasileira com maior faturamento por m². Ao todo, a pesquisa escutou 460 empresas em todo o país.

A alta real nas vendas do Carrefour foi de 19,5%, contra 11,9% do Pão de Açúcar e 6,9% do Wal-Mart. Essa diferença do Carrefour para os concorrentes aconteceu devido à incorporação do Atacadão, acima de tudo ao bom desempenho desse eficiente grupo, que tem um perfil de loja para o público C e D, eficiência comprovada com os 3% de crescimento registrado pela rede. O do Pão de Açúcar reestruturou toda a sua organização, com isso conseguiu ganhos operacionais e mais agilidade na tomada de decisões, com a criação das diretorias regionais. Já o Wal-Mart é o que caminha mais lentamente, porém o mais sólido, segundo Sheila Hissa, diretora executiva da revista Supermercado Moderno. A rede também foi a única que cumpriu sua meta e abriu 25 novas lojas pelo País.

Uma série de fatores explica o crescimento do mercado varejista mesmo mantendo o número de lojas. Um deles é o simples aumento de consumo - as pessoas estão com maior poder de compra - aliado a maior eficiência das redes. Estas se profissionalizaram e investiram na melhoria em comunicação, principalmente em mídia digital, segundo Maurício Pacheco, diretor da revista Supermercado Moderno.

O faturamento médio desse mercado foi de 10,6%, mas cerca de 70 redes cresceram acima deste percentual. A Palomax (SP) com 55,3% e a Mercantil Bastos (MG) com 47,5%, foram os grupos que apresentaram taxas elevadas de crescimento.

O número de empresas que faturaram mais de R$ 1 bilhão também cresceu. Até 2004 eram apenas sete companhias - agora já são 16 empresas que participam desse seleto grupo, que a partir deste ano conta também com Condor (PR), Líder (PA), Sonda (SP) e Guga (MG).

Mais uma vez, o Relatório mostrou que as lojas do Nordeste estão crescendo mais que das demais regiões brasileiras, com um aumento de 19,7%, que movimentam aproximadamente R$ 5,6 bilhões. Este mercado está aquecido no Nordeste devido ao programa Bolsa Família e ao investimento do Ministério do Desenvolvimento na região, fatores que fizeram com que o número de consumidores no mercado aumentasse. O comércio da região também se profissionalizou, o que possibilitou o desenvolvimento do varejo.

Pacheco afirmou que as expectativas do setor para o ano de 2009 são boas, já que varejo de alto serviço sempre cresceu. Ele acredita numa alta de 3,5% a 4%, mesmo com os varejistas falando em crescimento perto de 8%. Já os hipermercados devem sofrer novas quedas nas vendas, seguindo a tendência dos últimos anos. Esse formato está perdendo espaço para as lojas de vizinhança, segundo o diretor da publicação.

Google intensifica prospecção de anunciantes

O Google intensifica as estratégias de marketing para atrair anunciantes brasileiros. Desde o ano passado, a empresa veicula hotsites focados nas principais datas do varejo: Dia das Mães, dos Namorados e Natal.

O especial para o Dia das Mães de 2009 foi incrementado com possibilidades de inserções no Orkut e YouTube. O pacote comercial do YouTube para ação de vídeo padrão, com veiculação na home e em canais internos, tem custo de R$ 47,5 mil com visibilidade total estimada de 10 milhões de pageviews. Para o Orkut, a veiculação de banners que são vistos somente pelos donos dos perfis requer investimento líquido de R$ 32 milhões para 8 milhões de visualizações, o que resulta em custo por mil de R$ 4,00.

No endereço, o Google sugere formas de os anunciantes potencializarem os acessos a seus sites, com o objetivo de aumentar as vendas neste período, que é o segundo mais importante para o varejo brasileiro - atrás apenas do Natal. O hot site "Siga os conselhos de Mãe!" ensina como montar uma campanha sob medida, desde a definição do público-alvo até a escolha das palavras-chave mais indicadas.

Entre as informações disponibilizadas está a de que as vendas online no período do Dia das Mães alcançaram em 2008 a marca histórica de R$ 378 milhões, com um ticket médio de R$ 333,00 - o que representaria crescimento de 247% em relação a 2005. Além de presentes tradicionais como flores, perfumes, cestas de café-da-manhã, jóias e eletrodomésticos, estariam em alta os produtos eletrônicos e de informática.

Segundo o diretor de marketing do Google, João Bortone, a iniciativa pretende atingir tanto aqueles que querem anunciar, mas não sabem como, quanto os que já usam o Google e querem tornar suas campanhas mais inovadoras e efetivas. "O hot site é sucinto o suficiente para que qualquer empresa entenda todo o processo e aproveite seu conteúdo para tomar a iniciativa de anunciar. Temos exemplos, inclusive, de grandes anunciantes atraídos pelo hot site", garante Bortone.

Adicionalmente às ferramentas self-service, o Google coloca à disposição do anunciante a sua equipe de atendimento comercial. "Além de agregar novas alternativas de mídia, instituímos algumas melhorias de processos internos para aproximar nossa equipe de vendas dos anunciantes", confirma Bortone.

Quando seu investimento alcança maior relevância para o Google, o anunciante pode até ganhar um gerente de contas na equipe do portal. "Há grandes clientes que delegam sua mídia online 100% a suas agências, outros decidiram absorver esse conhecimento, com a contratação de profissionais especializados e respaldo da equipe do Google. A grande maioria das agências tem entendido nossa proposta e trabalhado em conjunto conosco. Entretanto, muitas vezes a agência não age proativamente e não mostra ao anunciante a força de determinados produtos da internet. Em alguns casos, por delegar muito à agência, o anunciante não tem tanta informação. Neste sentido, os hot sites do Google ajudam na educação de todo o mercado", sustenta Bortone.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Árvore crescendo no pulmão de um homem


Uma notícia que merece ser postada pela bizarrice.

Com muita dor no peito e tossindo sangue, Artyom Sidorkin chegou ao hospital onde um tempo depois foi operado, com suspeita de um tumor no pulmão. Para surpresa do médico, o que encontraram foi um galho de árvore de 5 centímetros, pinicando por dentro o pobre Sidorkin. Um objeto desse tamanho não poderia ser inalado nem engolido e a conclusão é que o galhinho estava bravamente crescendo dentro do corpo do paciente.

Putz, ainda bem que eu sempre fui daqueles que tiram todas as sementes da melancia.

Investimentos publicitários devem cair 6,9% em 2009

A receita total da publicidade em todo o planeta deverá sofrer uma queda de 6,9% neste ano em relação ao seu desempenho em 2008. A previsão resultou de um relatório realizado periodicamente pela agência Zenith Optimedia, do grupo Publicis, que avaliou o volume das verbas publicitárias já sob um cenário que tenta se recuperar dos efeitos da crise econômica mundial.

De acordo com a agência de mídia, os investimentos realizados em propaganda deverão ser reduzidos, o que causará a diminuição da receita total de publicidade do globo para o patamar de US$ 453 bilhões (valor 6,9% menor do que a receita de 2008).

A América Latina terá redução de 2%, ficando estacionada na casa de US$ 29 bilhões. Segundo a Zenith, Brasil e Colômbia, países cujas moedas sofreram forte desvalorização nos últimos meses, são os principais responsáveis pela queda. Mas vale ressaltar que o estudo analisa somente o valor em dólares, o que enfraquece um pouco esse parâmetro para o mercado brasileiro, onde o real predomina nas negociações.

Ainda segundo a agência, as previsões negativas só não valem para a internet, canal que, embora também deva sofrer uma desaceleração, não deixará de crescer. Para 2009, a Zenith Optimedia projeta que os investimentos aplicados em comunicação digital cresçam 8,6% em relação ao ano passado. Em 2008, entretanto, o crescimento dos investimentos em publicidade via internet foi 20,9% maior do que o montante de 2007.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

ANJ divulga ranking dos jornais com maior circulação diária em 2008

A ANJ (Associação Nacional de Jornais) divulgou o ranking dos jornais com maior circulação diária do País no ano de 2008. A relação, que apresenta os dez maiores jornais diários, é baseada em dados fornecidos pelo IVC (Instituto Verificador de Circulação), empresa sem fins lucrativos que realiza a divulgação de informações e auditorias de mais de 400 publicações (jornais e revistas) filiadas ao Instituto.

A liderança do ranking ficou o jornal Folha de S.Paulo - dirigido por Otavio Frias Filho - , que registrou média diária de 311.297 unidades. Em segundo, o diário Super Notícia, com 303.097, seguido do carioca Extra (297.392). O Globo, cuja circulação foi de 291.407, ficou com o quarto lugar.

O jornal O Estado de S.Paulo, com 245.955 unidades diárias, ficou em quinto lugar, à frente do Meia Hora, cuja média ficou em mais de 230 mil. O sétimo e oitavo lugares ficaram com o Zero Hora (179.934) e o Diário Gaúcho (155.589), respectivamente. O Correio do Povo ocupou a nona posição com 155.589 e o esportivo Lance! fechou o ranking registrando 113.715.

Sites Legais

Acabo de ser apresentado pelo meu dupla, Saulo Rocha, a dois sites muito bacanas. O primeiro é Krop, um banco de empregos para publicitários, design e atividades afins. Detalhe, tem vagas pelo mundo inteiro e muitas agências show de bola. Uma excelente forma de rodar a pasta sem ter que gastar uma grana com passagens. Acesse aqui o Krop.

O segundo site é o Ain't No Disco. Um banco de imagens de escritórios mais bem decorados pelo mundo. Quase todos são agências de publicidade e design. Só pra ter uma idéia, o escritório da Neogama BBH, em São Paulo, é mediano lá. Acesse aqui o Ain't No Disco.

Todos os dias, o Saulo envia ao seu mail list uma dica de site legal. Se você quiser fazer parte da lista dele, é só acessar o site dele clicando aqui, no menu, clicar em links e digitar o seu mail.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Anúncio da Jordão comemora o prêmio de Agência do Ano

Atitude Brasil divulga 2o Fórum Internacional de Comunicação e Sustentabilidade

O 2o Fórum Internacional de Comunicação e Sustentabilidade está chegando. Ele acontece entre os dias 6 e 7 de maio, no Palácio das Convenções do Anhembi, em São Paulo. Para divulgá-lo, a Atitude Brasil, organizadora do evento, lança uma campanha publicitária na quarta-feira, 15, em mídia impressa e TV.

Utilizando a pergunta "Você sabe por que a comunicação é importante quando se fala em sustentabilidade?", a iniciativa, desenvolvida pela agência Leite Quente, mostra um ambiente urbano no qual uma árvore convive harmoniosamente com o meio e destaca, entre a folhagem, a face de uma criança. Com isso, é evidenciada a ideia de progresso aliado ao desenvolvimento sustentável. A frase "O futuro é hoje" convida a sociedade para uma discussão aprofundada sobre os conceitos de sustentabilidade.

Outro conceito intrínseco à campanha, conforme a fundadora e diretora da Atitude Brasil, Marta Rocha, é de que a sustentabilidade não é somente a natureza, mas sim um tripé formado pela área urbana, a natureza e o ser humano.

"Durante anos tivemos a utilização de vários termos. Hoje sustentabilidade é a bola da vez, porque ela é a soma de todos esses valores juntos. É a relação com o dia-a-dia, com o meio ambiente, com a família", afirma.

Mesmo com dificuldade na captação de recursos, o fórum manteve a sua gratuidade, graças às parcerias e aos apoios obtidos, e contará com nomes representativos internacionalmente. Entre eles os prêmios Nobel da Economia de 2006, Edmund Phelps, e da Paz de 1998 e 2007, David Trimble e Mohan Munasinghe, respectivamente.

Com direcionamento para o público universitário, a estimativa é de que o evento conte com 2,5 mil pessoas. Além disso, a organização espera conseguir um bom público com a distribuição de links para que universidades da América Latina acompanhem o evento em tempo real. As inscrições devem ser feitas pelo site www.comunicacaosustentabilidade.com.br.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Adolescente 'entediado' admite criação de pragas para o Twitter

O jovem Michael "Mikeyy" Mooney, 17, admitiu ter espalhado no Twitter pragas virtuais que atormentaram os usuários do serviço de microblog durante o final de semana. Ao site de tecnologia “Cnet”, o adolescente do Brooklyn (Nova York) disse que criou os códigos porque estava entediado e queria chamar atenção para a falha de segurança na rede social.

Nesta segunda (13), um comunicado divulgado pela equipe do Twitter diz: "estamos resolvendo uma nova manifestação do ataque. Nenhuma informação pessoal está comprometida". O site não deu mais detalhes sobre essa nova onda de ataques.

A primeira praga, identificada no sábado, fazia com que os perfis infectados espalhassem um link que direcionava os internautas ao site Stalk Daily. O segundo código malicioso atacou no domingo, depois de o Twitter divulgar uma mensagem dizendo que já tinha tomado as medidas para consertar as falhas. Neste segundo caso, os perfis contaminados distribuíam, involuntariamente, mensagens como “Mikkey is done” (“Mikkey já acabou”) e “Twitter please fix this, regards Mikeyy” (“Twitter, por favor conserte isso, atenciosamente Mikeyy”).

“Só refleti sobre o que havia feito depois. Basicamente, realizei o ataque porque estava entediado. Não pensei que o Twitter ia consertar a falha em pouco tempo, mas também não imaginei que as mensagens iam se espalhar de maneira tão rápida”, disse o jovem à “Cnet”.

Agregador de campanhas

Transformar um monte de quadradinhos em uma ação de marketing parece impossível, mas não é. Idealizado no Japão em 1994, o QR Code começa a ganhar notoriedade no mercado publicitário brasileiro. A ferramenta é considerada uma evolução de um código de barras convencional, pois armazena não só informações numéricas como também de texto. Para que uma pessoa possa saber o significado da figura, basta instalar um software leitor de QR Code em seu celular de forma gratuita.

O código, que significa Quick Response (resposta rápida), começou a ser utilizado na indústria automobilística asiática e logo embarcou para o mundo da publicidade. No Brasil, a ferramenta passou a figurar em anúncios no final de 2007, em uma campanha criada pela Dentsu Latin America para a Fast Shop. Ao desvendar o código, o cliente concorria a prêmios.

Segundo Alexandre Mutran, diretor de atendimento da Dentsu Latin America, a ferramenta pode ser utilizada de inúmeras formas. "O código pode ser um texto, um número de telefone ou SMS para uma determinada promoção, um link para um site normal ou site móbile, um game, entre outras possibilidades. Considero o QR como uma ponte do mundo real para o mundo virtual", diz.

No primeiro semestre do ano passado, a Dentsu promoveu a cerveja NS2, da Schincariol, no São Paulo Fashion Week. Na ocasião, promotores da empresa emprestavam seus celulares com software leitor para que os visitantes encontrassem brindes em um painel lotado de códigos. Entre os prêmios estavam doses da bebida e camisetas customizadas. "O QR code não é tão poderoso se atuar de forma isolada. O ideal é utilizá-lo como colaborador para potencializar uma campanha", afirma Mutran.

Outra ação desenvolvida pela Dentsu foi com a Nestlé, no segundo semestre de 2008. A campanha "Torce Por Você" possuía um site com quiz e jogo virtual via Bluetooth para duas pessoas. Mutran destaca que a maior barreira para a utilização da tecnologia é a adoção. "Nem todas as pessoas possuem o software leitor instalado em seus aparelhos celulares, por este motivo as ações promocionais em ambientes controlados são ideais para a utilização do QR Code", pontua, destacando que o custo da utilização da ferramenta não é alto.

Durante o Salão do Automóvel, em novembro do ano passado, a Volkswagen aproveitou o QR Code para uma pequena ação em seu estande. O Jornal A Tarde, de Salvador, Bahia, também tem usado o código desde dezembro de 2008.

Parceiro tecnológico
A SupportComm, empresa provedora de serviços voltados ao mobile marketing, atua como parceira das agências em campanhas que utilizam o código bidimensional. "O QR Code é uma das ferramentas do nosso portfólio e sempre desenvolvemos a parte técnica em conjunto com a agência, dificilmente atuando diretamente com o anunciante", explica o diretor comercial, David Carvalho.

Nas peças que anunciaram o C4 Picasso, da Euro RSCG Brasil para a Citroën, a SupportComm criou o código que remetia o consumidor ao vídeo do automóvel. A empresa também desenvolveu o QR Code na campanha de Natal da F/Nazca para a Claro. A figura estava impressa em folhetos dos pontos-de-venda e anúncios para jornal e revista.

Para conseguir decifrar o código, o cliente da operadora enviava um torpedo com a palavra "Escolha" para o número 250 e baixava, gratuitamente, o leitor no seu celular. Após a instalação, a pessoa apontava a câmera para o QR Code e recebia um link para baixar de graça a trilha da campanha. Quem não fosse cliente Claro era direcionado para um site wap com informações sobre as promoções especiais da operadora para o Natal.

Para Carvalho, as empresas estão começando a utilizar o mobile marketing em suas ações publicitárias. "Este é o ano do mobile marketing, pois existe uma enorme demanda. Basta uma padronização das operadoras para que este mercado deslanche", opina o executivo.

A Spring Wireless, que recentemente adquiriu a Okto Mobile Ideas, já realizou três pilotos de QR Codes com empresas conhecidas. Até o momento, o único case da empresa é o próprio cartão de visita institucional.

Carlos Domingues, diretor de soluções de mobile marketing e mobile entertainment da Spring Wireless, destaca que a adesão por parte dos anunciantes é baixa pelo fato da tecnologia ainda ser pouco conhecida. "O mundo ideal do mobile marketing é entender o objetivo do negócio. O QR Code não trabalha sozinho e deve ser integrado a uma campanha. A Spring, por exemplo, vende o serviço de forma correta para não gerar frustração ao cliente", conta Domingues.

Anúncios Institucionais
O curioso anúncio da QG Propaganda veiculado na mídia impressa em setembro do ano passado mostrava um QR Code com a seguinte frase: "Se você não consegue ler esta mensagem com a câmera de seu celular, ligue que a gente explica". A pessoa que tivesse o software leitor podia decifrar o texto: "Todas as novidades em tecnologia para sua marca".

Marcello Droopy, diretor de criação da QG Propaganda, esclarece quais eram objetivos com o anúncio institucional. "Usamos o QR Code na obra para provocar os clientes e vender nosso peixe. Recebemos diversas ligações de curiosos", destaca, informando que a agência ainda não utilizou a ferramenta em peças publicitárias, mas conta com projetos em andamento.

"Hoje não dá para utilizar o QR Code sozinho em uma campanha, a não ser que tenha público e produto específico. O código entra como ferramenta e agrega muito mais valor do que custa", completa Droopy.

Outra empresa que utiliza a tecnologia para obras institucionais e promocionais é a Impacta Tecnologia. Na campanha "Comunique-se com QR-Code", que terá início na próxima quinta-feira, 2, todas as pessoas que comprarem alguns dos treinamentos oferecidos pela companhia nas áreas de TI e design e decifrarem o QR Code em um dos anúncios impressos receberão camisetas personalizadas de acordo com a área escolhida do curso.

Com abrangência nacional, a campanha será veiculada nas revistas Info Exame, Digital Design, WebDesign, CaDesign, Design Gráfico, Publisher, Photoshop Creative e no jornal Folha de S. Paulo. Caso o celular utilizado não permita a visualização, a Impacta indica o site http://reader.kaywa.com/register para baixar o software.

Para Rodrigo Braga, diretor executivo da Peopleway, empresa de interatividade digital, o mercado de mobile marketing comemora mais este novo canal de comunicação que promete agregar valor a ferramenta e estimular ainda mais o uso do celular em ações promocionais e campanhas interativas. "A vantagem do QR-Code é o fator surpresa. Ele tem um 'q' de mistério, onde o usuário não tem a menor de idéia do que vai encontrar lá, mas vai fazer de tudo para descobrir", comenta.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Investidores apostam na Apple, apesar de incertezas sobre Steve Jobs

Os investidores parecem estar começando a se sentir confortáveis quanto aos quadros executivos da Apple, enquanto persistem as incertezas sobre o retorno de Steve Jobs ao comando da gigante dos bens de consumo eletrônicos que ele fundou.

As ações da Apple estão em disparada nas 10 semanas desde que Jobs se afastou para uma licença médica de cinco meses.

As ações subiram mais de 45% depois da queda que as levou à sua mais baixa cotação em dois anos no dia 20 de janeiro, dias depois que Jobs, que sobreviveu a um câncer de pâncreas anos atrás, anunciasse a transferência de suas responsabilidades cotidianas ao seu vice, Tim Cook, e seu afastamento para o tratamento de uma doença não revelada.

"A equipe executiva é bastante boa", disse Bob Turner, vice-presidente de investimento da Turner Investment Partners. "Meu conselho é não alterar a equipe que está no comando agora".

Mas alguns especialistas dizem que há dúvida suficiente no mercado sobre uma Apple sem Jobs para que a empresa tenha suas ações negociadas por 10% a 20% a menos do que a cotação que seria possível caso o carismático executivo estivesse em ação.

A reserva de caixa da Apple equivale a cerca de US$ 29 por ação e a receita da companhia continua em expansão, enquanto rivais como Sony e Dell estão cortando empregos a fim de sobreviver à profunda recessão.

Analistas e investidores esperam que as ações da Apple recebam novo estímulo caso Jobs retome o posto em junho, como planejado.

Mas muitos deles apontam que os investidores estão se tornando mais confortáveis com a equipe executiva do grupo, no passado um tanto desconsiderada, mas agora mais visível, dada a ausência de Jobs.

"Não vou tomar uma decisão de investimento com base apenas na saúde dele", disse Erick Maronak, vice-presidente de investimento do Victory Large Cap Growth Fund, que detinha 1,5 milhão de ações da Apple no final de 2008.

Google diz não prejudicar, e sim ajudar, lucros dos jornais

Em resposta à agência de notícias Associated Press, que anunciou interesse em proteger seu conteúdo contra “apropriação indevida na internet”, um executivo do Google defendeu sua empresa nesta terça-feira (7). “O Google ajuda os sites dos jornais a fazer dinheiro por meio de publicidade on-line e não utiliza seu conteúdo indevidamente”, afirmou Alexander Macgillivray, diretor jurídico associado de produtos e propriedade intelectual no Google, no blog oficial da empresa.

"Conduzimos tráfego aos sites e oferecemos publicidade em apoio a todos os modelos de negócios, quer as empresas de notícias optem por hospedar seus artigos conosco ou em seus sites", escreveu Macgillivray. "Usuários como eu são encaminhados de diferentes sites do Google para os sites dos jornais, em ritmo de mais de um bilhão de cliques ao mês", continuou.

O comentário foi publicado um dia depois do anúncio da Associated Press, criada 163 anos atrás e controlada por um grupo de jornais. A mensagem também surgiu no dia em que o diretor-executivo do Google, Eric Schmidt, planeja discursar na reunião anual da Newspaper Association of America.

Queda de receita

Empresas jornalísticas como a New York Times Co e a EW Scripps estão enfrentando uma queda de receita publicitária que ameaça a sobrevivência de alguns de seus jornais.

As companhias estão tentando descobrir maneiras de ganhar dinheiro on-line para compensar as perdas de receita em suas versões impressas, mas até agora isso não se provou possível.

Alguns jornalistas se queixaram de que os serviços de busca operados pelo Google e Yahoo faturam milhões com as notícias que os jornais veiculam, e que esse dinheiro deveria se destinar aos jornais.

Macgillivray contestou a idéia, declarando que o Google ajuda, e não prejudica, os jornais. "Em todos os casos de artigos noticiosos que indexamos sem hospedar, só mostramos aos usuários um trecho suficiente para que desejem continuar lendo --a manchete e um trecho do texto--, com um link que conduz ao site da publicação", escreveu.

terça-feira, 7 de abril de 2009

Feeling Comunicação tem novo site e lança campeonato

Encaixa. Este é o conceito que permeia o novo site da Feeling Comunicação. Isso porque de acordo com Ivan Penna, sócio e diretor de criação da agência, na Feeling, Planejamento e Criação se encaixam perfeitamente.

E para o lançamento, a Feeling criou um Campeonato de Tetris. Um dos jogos mais conhecidos da história é a grande ferramenta de interatividade do site, onde você joga em diferentes níveis de dificuldade e registra suas marcas. E como publicitário adora competir, tem tudo pra ser um sucesso o campeonato.

Conheça o novo site da Feeling Comunicação clicando aqui.

Ficha Técnica
Redator: Ivan Penna
Diretor de Arte: Heuler Soares e Daniel Gabriel
Webdesigner: Heuler Soares Diretor de Criação: Ivan Penna
Planejamento: Raphael Alvarilhão

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Google mostra 'coração' de servidores pela 1ª vez

Google pode estar em conversas para aquisição do Twitter

O Google pode estar negociando a aquisição do serviço de microblogs Twitter, que permite a divulgação de texto curtos a uma rede de amigos, informou o site “TechCrunch” na noite de quinta-feira (2).

O artigo de Michael Arrington no “TechCrunch” informava que as duas empresas também estão considerando trabalhar juntas em um serviço Google de buscas em tempo real.

O site disse não saber o preço exato da aquisição, mas fala em mais de US$ 250 milhões (há alguns meses, o microblog teria recusado US$ 500 milhões em ações, oferecido pelo Facebook). O Google pagaria pelo Twitter em dinheiro e ações, ou uma combinação dos dois, segundo o site.

Especialistas do setor dizem que o histórico de Arrington quanto a essas revelações não é impecável, mas ele foi o primeiro a reportar o boato de que o Google adquiriria o site de vídeo YouTube, no final de 2006. Arrington afirmou que as negociações "estão em estágio inicial".

Um porta-voz do Google em Londres informou à Reuters que a empresa não comenta sobre boatos ou especulações. O Twitter não comentou de imediato.

O site vem ganhando popularidade desde sua criação, três anos atrás, ainda que a empresa não tenha até agora registrado lucros. O fundador do Twitter, Biz Stone, disse em março que a companhia estava ansiosa por formar parcerias com novas companhias, incluindo o Google, mas não estava avaliando uma fusão ou compra.

domingo, 5 de abril de 2009

Pagú Propaganda inaugura novo conceito da agência em vídeo no Youtube

Pagú Propaganda, que acaba de completar um ano de mercado, cria ação para lançar o novo conceito da agência: INCOMODE.

Assista ao vídeo abaixo.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Como fazer seu vídeo se tornar viral

O consumo de vídeos na internet é um esporte de contato - a visualização inicial é somente um portal para que se possa comentar, dar notas, enviar para amigos e até remixar o conteúdo original. E o que as marcas devem fazer diante deste novo comportamento do consumidor, fazendo seus vídeos se tornarem virais e ter em mãos milhões de impressões sobre si sem custos?

Nossa experiência mostra que há um mundo de diferenças entre construir uma campanha de vídeo que quer ser viral e dar origem a uma que atinja o consumidor desejado e amplie essa gama. O buraco entre vídeos de sucesso e os que não o atingem é de 20 vezes em termos de alcance da campanha.

Ações como T-Mobile: Dance ou Guitar Hero: Bike Hero foram aceitas pela audiência online, que se encarregou de espalhar, em um círculo virtuoso onde os números só crescem: ambas tiveram em média mais de 150 inserções e 7 milhões de visualizações após dois meses de seu lançamento. Por outro lado, campnhas como Nike: Kobe Bryant Ankle Insurance ou Virgin Atlantic: 25 Years, Still Red Hot tiveram menos de meio milhão de visualizações. Isso porque o número mágico para indicar que uma campanha deu certo é um milhão.

As bem sucedidas costumam quebrar essa barreira já nas primeiras semanas. Descobriu-se que 35% do total de acessos a um viral ocorrem na primeira semana, na fase inicial de crescimento, que acaba definindo a trajetória como um todo.

As campanhas têm depois disso uma fase de duas semanas de transição, quando a audiência cresce 20% semanalmente. Campanhas bem-sucedidas e as que não deram certo costumam ter uma taxa parecida neste período, daí, a importância da semana inicial.

Finalmente, após o crescimento e transição, as campanhas virais tendem a ficar em uma fase constante, crescendo 10% ou menos por semana.

Para cada case de sucesso, como Evolução da Beleza, de Dove, ou até a antiga Wassup, de Budweiser, há dezenas de outros que tiveram seus objetivos grandiosos derrubados pela realidade. Mas entender os dados por trás de cada campanha dessa nos deixa próximos de entender, e talvez influenciar, o comportamento neste espaço.

Dicas para tornar o vídeo um sucesso:

Plante inteligentemente: nem todos os sites de vídeos atingem aos mesmos públicos. Se seu alvo são rapazes jovens, talvez a opção seja o Break.com.

Pense em profundidade, não largura: Campanhas de sucesso não distribuem vídeos em 50 redes de uma só vez. Ao invés disso, selecione 3 a 5, compre mídia para suporte, alcance a imprensa especializada e os usuários, e tente chega à lista de "Mais assistidos" na maior parte deles.

Não conte para todos: Veja as campanhas I´am a PC, com Jerry Seinfeld e Bill Gates, e Gorilla, da Cadbury. Elas deixaram as pessoas se perguntando "Isso é real?", "Eles realmente fizeram isso?", ajudando a propagar o conteúdo.

Da AdAge, por Matt Cutler, diretor de marketing da Visible Measures.

Quase 80 mil já bloquearam o telemarketing

Após seis dias de cadastramento, 78.235 pessoas solicitaram ao Procon que seus nomes fossem incluídos na lista dos consumidores que não querem receber ligações de telemarketing. O número praticamente dobrou de terça-feira, 31, até quarta-feira, 1, quando a chamada lei anti-telemarketing entrou em vigor.

Ao todo, até as 17h15 desta quarta-feira, 1, são 143.617 números telefônicos, entre fixos e celulares, para os quais as empresas de telemarketing estão proibidas de ligar, sobre risco de serem multadas. Cada pessoa pode cadastrar até cinco números telefônicos.

O bloqueio de ligações é baseado na lei estadual 13.226/08, cujo intuito é preservar a privacidade do consumidor, e passa a ser válido 30 dias após o cadastramento do número telefônico no Procon. Após esse prazo, a empresa que contatar qualquer pessoa presente na lista dos que não querem ser importunados corre o risco de receber multas entre R$ 212 e mais de R$ 3 milhões. Para saber quais consumidores não desejam receber ligações de telemarketing, as empresas também têm que se cadastrar no Procon - 280 delas já haviam feito isso até esta quarta-feira, 1.

terça-feira, 31 de março de 2009

Ponto Frio está à venda

Segunda maior varejista de eletroeletrônicos e eletrodomésticos do País informou intenção à Comissão de Valores Mobiliários

O Ponto Frio está oficalmente à venda, depois que a Globex Utilidades S.A., controladora da empresa, informou a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que contratou uma empresa para coordenar as negociações com os possíveis compradores.

Lily Safra, maior acionista da rede, já tentou negociar as lojas há cerca de dois anos, mas não obteve sucesso. A segunda maior varejista de eletroeletrônicos e eletrodomésticos do País tem um faturamento estimado em R$ 4 bilhões por ano.

A rede é atendida pelas agências DM9DDDB e Fala!, que ganharam a conta do anunciante em outubro de 2008. A DM9DDB já trabalhava com o Ponto Frio desde 2003. A conta publicitária é estimada em R$ 200 milhões anuais.

Inter-Meios aponta alta de 2% nas verbas em janeiro

Apesar da crise global que afetou o desempenho - e, conseqüentemente, o investimento publicitário - de diversos setores econômicos, a mídia brasileira fechou o mês de janeiro com performance melhor do que a do mesmo mês do ano passado. É o que apontam os números do Projeto Inter-Meios. O faturamento dos veículos com publicidade atingiu R$ 1,256 bilhão, o que representa alta de 2,1% na comparação com janeiro de 2008.

O melhor desempenho foi do cinema, que cresceu 132%, dobrando o seu pequeno share: de 0,2% para 0,4% do bolo. A internet manteve-se em ascensão, com alta de 23,6%, alcançando participação de 4,4%. O primeiro mês do ano também foi bom para a televisão. Enquanto os canais pagos faturaram 9,5% a mais, com share de 3%, os abertos tiveram alta de 4%, aumentando ainda mais sua gorda fatia, para 59,3% do total.

Entretanto, nem todos os meios de comunicação estão comemorando. Houve quedas significativas na mídia impressa na comparação entre os primeiros meses de 2009 e 2008. As revistas recrudesceram 8,4%, vendo seu share cair de 6,6% para 5,9%. O faturamento publicitário dos jornais encolheu 5,7%, fazendo a participação do meio baixar de 18,2% para 16,8%. Permaneceram estáveis o rádio, com oscilação negativa de 0,2% (share de 5%), e guias e listas, que retrocederam 0,1%, mantendo sua participação de 1,4%.

A mídia exterior também permaneceu estável, com ligeiro crescimento de 0,14% em relação a janeiro de 2008. Mobiliário urbano (-25,4%), mídia móvel (-17,8%) e painéis (-6,4%) tiveram desempenho negativo no período, enquanto outdoor conseguiu melhora de 5%. O meio só não ficou no vermelho por conta do ótimo resultado dos painéis eletrônicos, cujo faturamento publicitário subiu 61,2%. Nesta área entram as telas de plasma e LCD, que vêm ganhando espaço em pontos-de-venda dos mais variados tipos. Por conta disso, em janeiro deste ano o segmento passou a ser identificado, pelo Inter-Meios, como digital out-of-home.

segunda-feira, 30 de março de 2009

Brasileiro passa 3 vezes mais tempo na Web que vendo TV

SÃO PAULO (Reuters) - Uma pesquisa realizada pela Deloitte e divulgada nesta sexta-feira afirma que os brasileiros passam três vezes mais tempo por semana conectados à Internet do que assistindo à televisão.

O estudo "O Futuro da Mídia" está na terceira edição, mas esta foi a primeira em que o Brasil foi inserido entre os outros países pesquisados: Estados Unidos, Japão, Alemanha e Grã-Bretanha. Dos 9 mil entrevistados, 1.022 eram brasileiros.

De acordo com a pesquisa, os consumidores brasileiros gastam, atualmente, 82 horas por semana utilizando diversos tipos de mídia e de entretenimentos tecnológicos, como o celular. Para a maioria dos consumidores, o computador superou a televisão em termos de entretenimento.

A maior parcela dos participantes (81 por cento) apontou o computador como o meio de entretenimento mais importante em relação à TV. Entre os ouvidos, 58 por cento disseram que videogames, jogos no computador e online são importantes fonte de diversão.

Metade dos entrevistados estão atentos aos lançamentos tecnológicos e tentam adquirir rapidamente esses equipamentos. Além disso, 47 por cento dos pesquisados usam o celular como um dispositivo de entretenimento.

O levantamento ouviu pessoas com entre 14 e 75 anos de idade.

A faixa etária de 26 a 42 anos é a mais envolvida com atividades interativas na Internet, como assistir a programas de TV ou usar o computador para chamadas telefônicas.

Em todas as faixas de idade, a atividade mais realizada na Internet é a criação de conteúdos pessoais para serem acessados por outras pessoas, como Web sites, fotos, vídeos, músicas e blogs, diz o estudo.

DISPOSTO A PAGAR MAIS

Outro dado detectado pela pesquisa da Deloitte foi que os brasileiros se sentem limitados na Internet pela velocidade de sua conexão.

Por isso, 85 por cento dos ouvidos afirmaram estar dispostos a pagar mais para ter conexões mais velozes. As pessoas da faixa etária acima de 43 anos são as mais dispostas a pagar mais caro por mais velocidade.

Entre todos os entrevistados, 92 por cento possuem celular. Entre os aplicativos deste tipo de aparelho, as mensagens de texto são as mais utilizadas (92 por cento), seguidas da câmera digital (78 por cento), jogos (67 por cento) e a câmera de vídeo (62 por cento).

sexta-feira, 27 de março de 2009

Semana de Matrícula na Funyl

3ª Noite do Almanaque de Criação

Bom, se você ficar chateado por não ter postado nada sobre o segundo e o terceiro dia de Almanaque de Criação aqui, imagine eu? Que nem consegui comparecer nos dois dias mais interessantes da semana. Ontem, os palestrantes eram só o Guga Ketzer, diretor de criação da Loducca e o Fernando Campos, diretor de criação da Santa ClaraNitro. Os dois mandam muito bem. Como ontem, eu vou tenatar alguém para escrever o que rolou por lá. Mas como ontem, pode ser que eu não consiga ninguém. Oh, povo difícil de fazer escrever.

quinta-feira, 26 de março de 2009

Projeto prevê alterações na Lei Rouanet

O novo projeto para a Lei Rouanet, que tem como objetivo alterar o atual modelo de financiamento para projetos culturais no Brasil, está desde o início desta semana disponibilizado no site do Ministério da Cultura onde ficará até 8 de maio para consultas. Após esse período, o texto será enviado ao Congresso Nacional onde o ministro titular da pasta, Juca Ferreira, espera obter sua aprovação ainda este ano. A principal crítica do ministro ao formato atual da lei é que, segundo ele, os incentivos estariam hoje restritos às grandes produções culturais e àquelas do eixo Rio-São Paulo. Citando cifras oficiais, Ferreira afirma que apenas 3% dos produtores culturais do País hoje são contemplados com os recursos.

Segundo a proposta da nova lei, deverá haver um maior escalonamento nas faixas de isenção do imposto de renda. Em vez de 30% ou 100%, como ocorre hoje, essas faixas poderiam variar entre 60%, 70%, 80% ou 90%. Os critérios para a concessão da isenção serão estabelecidos por um conselho, composto por membros do governo e da sociedade.

Outra novidade do projeto é a criação de do Vale Cultura no valor de R$ 50 mensais com os quais os cidadãos contemplados podem usar para assistir espetáculos culturais das mais variadas formas. Pelo texto que está no site do MinC, o governo daria renúncia fiscal de 30% do valor, enquanto a empresa pagaria 50% e o trabalhador os 20% restantes.

2ª Noite do Almanaque de Criação

Pessoal, ontem não pude comparecer ao Almanaque, mas vou correr atrás de alguém que foi para postar o que rolou ontem aqui no Filé.

quarta-feira, 25 de março de 2009

1ª noite do Almanaque de Criação

Ontem, terça-feira, 24 de março, teve início o Almanaque de Criação, evento que eu havia comentado aqui no Filé. O evento continua muito bem organizado e sendo um sucesso de público, quase em sua maioria estudantes e jovens profissionais. Apesar do meu atraso por conta dos trabalhos aqui da agência, cheguei na segunda metade da primeira palestra, encontrei a galera de Goiânia que hoje está aqui, o João Gabriel, os irmãos Rafael e André Barreiros, e a Sussy, sócia e diretora de criação da Pagú.

A primeira palestra, como programada, foi da Regina Augusto, editora chefe do gupo Meio & Mensagem. Parodiando o Sílvio Santos, eu não assisti mas a minha mulher viu e disse que foi muito boa.

Ela fez uma apresentação de encher os olhos sobre a sua viagem em que conheceu as agências mais premiadas do mundo, na tentativa de entender o que faz delas serem tão premiadas e realizarem um trabalho de vanguarda. Entre elas, a Droga 5; Taxi; Crispin Porter + Bogusky e Wieden kennedy.

Regina também apresentou alguns cases das agências, como o Voyeur da HBO, que foi GP em Promo e Outdoor em Cannes, no ano passado. Um case que você pode conferir mais clicando aqui.

O Filé 060 aproveitou e trocou duas palavrinhas com a Regina Agusto.

Filé060: Atribue-se a disparidade dos trabalhos produzidos por São Paulo ao restante do país a diferença de clientes e verbas disponíveis lá. Mas a que você atribui a diferença entre o trabalho das agências de São Paulo e a do exterior, que produzem trabalhos impressionantes? Porque São Paulo ficou para trás?

Regina Augusto: Essa é a grande pergunta que eu acho que não consegui responder ainda. Eu já percebi que não é por questão de verba, até porque nós vemos trabalhos que não são caros. Eu acredito que seja por conta da dependência das mídias tradicionais. O modelo adotado pelas nossas agências ainda está muito preso às mídias conservadoras. A nossa área digital é a única que eu vejo que está acompanhando o que acontece lá fora.

Eu não sei te falar na verdade o que causa essa diferença, na verdade, eu provoco essa reflexão. As agências de São Paulo são muito maiores que as agências lá de fora. Eu tinha uma expectativa de que iria chegar lá e encontrar grandes estruturas. Mas lá, eles trabalham com um número muito reduzido de pessoas. No geral, contam com umas 45 pessoas. Eu acho que a diferença seja a disposição em fazer trabalhos diferentes mesmo. As grandes de São Paulo parecem não quererem mudar, elas continuam trabalhando como há 10 anos atrás, e não parecem querer abrir mão disso.

Filé 060: Não é falta de talento?

Regina Agusto: Não, de forma alguma. Eu acredito muito no talento brasileiro e ele é muito valorizado lá fora.


A segunda palestra do evento deveria ter sido com Alex Schoenburg da AG 407, mas que não pode comparecer. Ele foi coberto pelo Carlos Grilo, da Casa Nova, uma agência de Brasília especializada em Promoção. Ele apresentou um case da agência para a CAIXA, chamado “Eu faço cultura”.

Dica para rir um muito

www.soriso.blog.br

Esse é o blog do senhor João Martins. A simpatia em pessoa! Um cara superbacana, gente fina e um fantástico profissional na área de revisão de texto. Esse blog promete divertir a todos os leitores (blogueiros), assim como já faz o seu jornal de piadas "Só Riso", que circula já há 4 anos em Brasília.

João Martins é jornalista há 40 anos. Atualmente, trabalha como revisor de texto na agência de publicidade multinacional Borghierh Lowe. Em seu currículo, algumas empresas onde trabalhou como revisor: Jornal do Brasil, O Globo, Última Hora, Jornal O Dia, Editora Bloch (Manchete), Editora Nova Fronteira, Editora Forense, Editora Francisco Alves, entre outras, no Rio de Janeiro. Aqui em Brasília, já exerceu a profissão no Jornal de Brasília, no Correio Braziliense e em várias agências de publicidade, todas bem conceituadas no mercado.

"O humor é a minha marca registrada. Perco o amigo, mas não perco a piada", costuma dizer. Dá para imaginar o que vem por aí, né?

www.soriso.blog.br - Acessem, divulguem e divirtam-se.

Abraço a todos.

Daniele Carvalho

Faço das palavras da Daniele as minhas.